Grupo de Auto-Ajuda

  Após varias crises, e ir e vir de hospitais, uma cardiologista disse para minha esposa que ela tinha a Síndrome do Pânico, ou Transtorno do Pânico, depois dessa noticia, após muita luta e medo, ela começou o tratamento, e logo procuramos um grupo de ajuda aqui em Uberlândia, e não encontramos.

  Era difícil imaginar uma cidade com mais de 500.000 habitantes, e não ter um grupo de ajuda aos portadores, e se houvesse muitos outros como ela a procura de ajuda? Então com um pouco de receio, e sem muita experiência no assunto, demos inicio ao grupo.

  Em Novembro de 2004, o Uberpan começou sua atividades em Uberlândia, e para nossa surpresa, muitas pessoas compareceram, a maioria com a Síndrome do Pânico, pessoas de 12 a 85 anos, alguns que sofrem a 10 anos, e outros a poucos meses, muitos deles somente descobriram o que tinham depois que eu e minha esposa, começamos a divulgar a doença, através dos meios de comunicação, mas não é difícil encontrar um portador, ou alguém que conheça um, basta falar sobre os sintomas com alguém, que logo esta pessoa se lembrara do caso de um amigo, parente ou conhecido que já passou ou esta passando por este transtorno. O problema é que muitos não falam mais sobre o problema, pois ate mesmo a família em muitos casos duvida, acham que e frescura, é a falta de emprego, falta de afeto e tantas outras coisas, mas somente quem tem sabe o que é ter uma crise.

  É por este e tantos outro motivos que nós estamos trabalhando para tentar informar e ajudar a quem sofre deste mal. 

  As reuniões acontecem no último Domingo de cada mês.

UBERPAN – Grupo de Apoio aos Portadores do Transtorno do Pânico de Uberlândia (34) 3255-5848 / 8854-5689(Ctbc)   André ou Eliana  


1.385 Respostas to “Grupo de Auto-Ajuda”

  1. Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, como existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de ser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana
    Doença Real versus “Distúrbio” Mental

    Os distúrbios psiquiátricos não são doenças médicas. Não existem exames laboratoriais, exames ao cérebro, raios X ou exames de desequilíbrio quimíco que possam confirmar que qualquer distúrbio mental é uma condição física.Isso não quer dizer que as pessoas não ficam deprimidas, ou que as pessoas que não possam sofrer de períodos emocional ou mental difíceis, mas a psiquiatria redefiniu estas emoções e comportamentos como sendo uma “doença” para poder vender drogas. Esta é uma campanha de marketing brilhante, mas não é uma ciência.

    “… a moderna psiquiatria tem ainda de provar convincentemente a causa genética/biológica de quaisquer doenças mentais… Os pacientes (têm) sido diagnosticados com ‘desequilíbrios químicos’ apesar do fato de não existir nenhum teste que apoie tal declaração… não há concepção real do que um equilíbrio químico corrigido pareceria.” – David Kaiser, psiquiatra

    “Não existe o desequilíbrio biológico. Quando as pessoas vêm ter comigo e me dizem: ‘Tenho um desequilíbrio químico’, eu digo: ‘Mostre–me os seus testes de laboratório.’ Não há provas de laboratório. Então o que é o desiquílibrio bioquímico?” — Dr. Ron Leifer, psiquiatra

    “Todos os psiquiatras têm em comum que, quando eles são apanhados por uma câmara ou microfone, acobardam–se e admitem que não existem coisas tais como os desequilíbrios químicos/doenças, ou exames ou testes para estes. O que eles fazem, na prática, mentindo em cada caso, revogam o direito de consentimento livre e esclarecido de cada paciente e envenená–los em nome do ‘tratamento’ é nada menos que criminoso.” – Dr. Fred Baughman, Jr., Neurologista Pediátrico

    “A psiquiatria faz alegações não comprovadas que a depressão, doença bipolar, ansiedade, alcoolismo e uma série de outros distúrbios são, de facto, essencialmente biológicos e provavelmente de origem genética… Esse tipo de fé na ciência e progresso é impressionante, já para não mencionar a ingenuidade e talvez ilusão.” – David Kaiser, psiquiatra

    Embora não tenha “havido falta de alegadas explicações bioquímicas para condições psiquiátricas… nenhuma destas foi provada. De todas as vezes em que tais desequilíbrios foram pensados terem sido descobertos, foi mais tarde provado serem falsos.” — Dr. Joseph Glenmullen, psiquiatra da Escola Médica de Harvard

    “As teorias são defendidas não apenas porque não há mais nada para tomar o seu lugar, mas também porque elas são úteis para promover o tratamento através de medicamentos.” — Dr. Elliott Valenstein Ph.D., autor de Blaming the Brain (Culpar o Cérebro)

    “Não há qualquer teste sanguíneo ou biológico que determine a presença ou ausência de uma doença mental, csdgomo existe para a maioria das doenças do corpo. Se este teste for desenvolvido… então a condição deixará de dvser uma doença mental e seria classificada, em vez disso, como um sintoma de uma doença do corpo.” — Dr.Thomas Szasz, Professor Emérito de Piquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova Iorque, Syracuse

    “Eu acredito que até que o público e a própria psiquiatria vejam que os rótulos do DSM não só são inúteis como ‘diagnósticwsgsdos’ médicos, mas também têm o potencial de causar grandes danos, particularmente quando eles são usados como meio de negar as liberdades individuais, ou como armas usadas por psiquiatras que agem como assassinos perante o sistema legal.” — Dr. Sydney Walker III, psiquiatra

    “Nenhum indicador bioquímico, neurológico ou genético foi identificado para o Distúrbio de Déficit de Atenção, Distúrbio de Oposição Desafiante, Depressão, Esquizofrenia, ansiedade, consumo compulsivo de drogas, álcool e alimentos, jogos de azar ou qualquer suposto mal, doença ou distúrbio mental.” – Dr. Bruce Levine, Ph.D., psicólogo e autor de Commonsense Rebellion (A Rebelião do Senso Comum)

    “Ao contrário dos diagnósticos médicos que comunicam uma causa provável, tratamento apropriado e também prognósticos, os distúrbios listados no DSM–IV são termos a que se chegou através de consenso entre semelhantes.” – Tana Dineen Ph.D., psicóloga canadiana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 351 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: