FAMOSOS QUE SOFREM COM O TP

Mais de 40 milhões de adultos americanos sofrem de ansiedade e de transtornos de pânico . Por mais sob controle que pareçam, as celebridades não são exceção quando se fala de ataques de pânico. Lidar com ataques de pânico nunca é fácil, sejam eles ocorrências isoladas ou recorrentes – e essas celebridades são as primeiras a admiti-lo.

Eis sete celebridades que tiveram ataques de pânico:

1. Amanda Seyfried
amanda seyfried

A atriz disse à revista Glamour que faz terapia regularmente para lidar com seus ataques de pânico. Apesar de ter feito progresso, Seyfried diz que de vez em quando ainda tem ataques de pânico.

“Ainda fico muito nervosa, em parte porque acho que penso e analiso demais as coisas”, disse ela. “Começo a me preocupar com meus pais ou com meu cachorro. Imagino que ele está abrindo a janela do meu apartamento e caindo, sendo que nem eu mesma consigo abrir aquela janela.”

2. John Mayer
john mayer

Em uma entrevista de 2012 para a revista Rolling Stone, o cantor e compositor John Mayer admitiu sofrer ataques de pânico, causados pelo medo que ele tinha de ir parar num hospício.

“Esse era meu maior medo quando estava crescendo”, disse ele. Seu amigo Joe Beleznay acrescentou: “Eu também tinha ataques de ansiedade, e a gente conversava para se acalmar. Tinha palpitações, falta de ar, calafrios e tremores, coisas estranhas. Dizíamos um para o outro: ‘Você está bem. Não está tendo um ataque cardíaco’. A cabeça dele trabalha tão rápido que acho que às vezes ele duvida da própria sanidade”.

3. Lena Dunham
lena dunham

A criadora e estrela da série “Girls” há muito fala abertamente da sua luta contra a ansiedade. No ano passado, ela conversou com o The Guardian sobre seus ataques de pânico.

“Pensei: em dois anos e meio terei 30 anos, e dez anos depois, 40, e dez anos depois, 50”, disse ela sobre um ataque de pânico recente. “É por isso que não durmo à noite.”

Como ela lida com o problema? Exercício. “Para quem sofre com ansiedade, TOC, depressão: sei que é muito chato quando as pessoas falam para você se exercitar, e levei 16 anos me medicando até dar ouvidos para as pessoas. Mas ainda bem que fiz isso. Não se trata do bumbum, e sim da cabeça”, escreveu Dunham num post no Instagram este ano.

 

4. Oprah Winfrey
oprah winfrey

Durante um período caótico de trabalho em 2013, Oprah Winfrey teve um ataque de pânico. Ela estava filmando “O Mordomo da Casa Branca” e fazendo várias entrevistas com celebridades.

“No começo, só me senti acelerada e meio adormecida, pulando de uma coisa para a outra e para a outra”, disse ela ao Access Hollywood . “Quando percebi (que estava tendo um ataque de pânico), pensei: ‘OK, se não me acalmar vou ter um problema sério’. Estava no meio das dublagens. Lembro de fechar os olhos cada vez que virava a página, porque olhar para a página e para o texto ao mesmo tempo era estímulo demais para meu cérebro.”

5. Emma Stone
emma stone
Emma Stone disse recentemente ao The Wall Street Journal que, antes de ser atriz, tinha ataques de pânico intensos.

“Era muito grave”, disse ela. “A primeira vez que tive um ataque de pânico estava na casa de uma amiga, e achei que a casa estivesse pegando fogo. Liguei para minha mãe e ela me buscou. Nos três anos seguintes, os ataques não pararam. Eu ia para a enfermaria (da escola) e ficar torcendo as mãos. Pedia para minha mãe me dizer como seria o dia exatamente, e 30 segundos depois perguntava de novo. Só precisava saber que ninguém ia morrer e que nada iria mudar.”

6. Elle Goulding
elle goulding

A cantora Ellie Goulding conversou com o Metro UK em 2013 sobre a terapia que fez depois de ter ataques de pânico .

“Um dia, depois de uma filmagem, estava num trem a caminho de um enterro e meu coração estava palpitando; achei que estivesse tendo um ataque cardíaco”, disse ela sobre o primeiro ataque. “Fiquei com tanto medo que disse para uma passageira: ‘Acho que estou morrendo’. Pedi para um amigo me levar para o hospital, onde me disseram que era só um ataque de pânico. Depois esse dia, tive vários ataques. Foi a época mais estranha da minha vida. Tinha pensamentos terríveis, mas não queria chamar atenção para mim… Chegou ao ponto de eu não conseguir entrar no carro para ir ao estúdio.”

Famosos brasileiros também já experimentaram o gosto amargo de uma crise de panico.

Gisele, Hudson, Monique Evans e Renner.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Participe de nossa 1ª enquete de 2016

300.000

300.000 mil acessos, hoje dia 16 de Outubro de 2013, nosso blog atingiu e superou já esta marca, quando criei o blog não imaginava quanto tempo ia permanecer no ar e quantas pessoas ele poderia informar neste anos todos.

Eu o criei para passar as informações sobre este transtorno, e ser um canal de desabafo e comunicação entre a todos que procuram conhecer mais sobre o Transtorno do Pânico.

Para melhorar ainda mais nosso blog, farei algumas modificações estéticas e estruturais, espero que todos gostem e continuem e continuem a nos visitar.

Obrigado aos 300.000 acessosssss.

André Campos – Uberpan

Participe de nossa enquete.

 

Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)-TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL-ANALISTA DO SEGURO SOCIAL - SERVIÇO SOCIAL-Nivel Medio - Salario: R$ 4.886,87
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)
TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL
ANALISTA DO SEGURO SOCIAL – SERVIÇO SOCIAL
Nivel Medio – Salario: R$ 4.886,87

Novos projetos e conquistas.

Voltar a estudar, tentar um novo emprego, se sentir útil e capaz, ver que ainda podemos ser pessoas produtivas, dar um novo sentido a nossa vida, não podemos ficar presos pelos nossos medos, você é o dono do seu futuro.

Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)-TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL-ANALISTA DO SEGURO SOCIAL - SERVIÇO SOCIAL-Nivel Medio - Salario: R$ 4.886,87
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)
TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL
ANALISTA DO SEGURO SOCIAL – SERVIÇO SOCIAL
Nivel Medio – Salario: R$ 4.886,87
IBGE (Técnico)-TÉCNICO EM INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ESTATÍSTICAS -Salário: R$ 3.098,85
IBGE (Técnico) Salário: R$ 3.098,85
TÉC. EM INF. GEOGRAFICA E ESTATÍSTICAS

APOSTILA R$25,00

 

Formas de tratamento

O tratamento consiste basicamente em duas etapas:

Acabar com os sintomas físicos, os quais costumam passar rapidamente com a ajuda de certos medicamentos. Nessa fase inicial onde o objetivo é acabar com os sintomas físicos (e que realmente acabam muito rápido, às vezes em questão de horas), a Psicoterapia sozinha ajuda muito pouco.

Acabar as fobias. Nesta fase o tratamento mais eficaz é uma combinação de medicação com Psicoterapia (que aliás nem sempre é necessária), principalmente a Psicoterapia Breve Focal, que consiste em poucas sessões para ajudar o paciente a mudar de atitudes, sair de situações difíceis e principalmente ver os problemas com mais objetividade, ficando portanto mais fáceis de serem resolvidos.

Ao mesmo tempo, seu médico irá pesquisar alguma doença física que possa estar provocando, desencadeando ou prolongando a Síndrome e se for o caso tratar ou encaminhar para algum colega faze-lo.

                                                 Os Remédios

O antidepressivo (tarja vermelha), ao contrário do tranqüilizante (tarja preta), não causa nenhuma dependência mesmo quando combinado com este; ao contrário, afasta a dependência de qualquer tranqüilizante. Os portadores do pânico têm um medo cruel da dependência dos remédios, principalmente daqueles que possuem tarjas pretas. Se um profissional médico prescrever somente o tranqüilizante (tarja preta) com o objetivo de cura e a pessoa tomar por mais de três meses, aí sim, poderá tornar-se dependente, pois os tranqüilizantes são depressores do sistema nervoso central. Os tranqüilizantes apenas aliviam, acalmam momentaneamente os sintomas. Passado o efeito do medicamento, os sintomas retornarão. A maioria das pessoas costuma generalizar os remédios psiquiátricos quanto a seus efeitos. Elas imaginam que todos são tranqüilizantes, dopantes ou causadores da impotência sexual. Ou então que são nocivos à saúde. Puro engano. E o mal maior que a doença traz? O indivíduo tem medo do remédio causar impotência e acaba ficando impotente por causa da doença. O importante é lembrar que cada caso é um caso, portanto, vai depender e muito do feeling do médico na hora de lidar com o paciente.Existem antidepressivos tricíclicos, tetracíclicos, IMAOS (inibidor da monoaminooxidase) e o mais recente, que é o ISRS (inibidor seletivo de receptação de serotonina), que tem uma variedade enorme. Mas só os médicos entendem como eles devem ser usados.